Terça-feira, 3 de Março de 2009

A fixação do território – do termo da Reconquista ao estabelecimento e fortalecimento de fronteiras nos sécs. VIII-XV

 

A Península Ibérica é formada por vários reinos. As invasões Muçulmanas, obrigaram ao recuo dos cristãos que se fixaram nas Astúrias e formaram o Reino Cristão e chefiado por Plágio.
Para ajudar à expulsão dos muçulmanos foi enviada uma cruzada, depois de solicitação do Rei de Castela. Na cruzada destacavam-se D. Henrique e D. Raimundo foram assim recompensados pelo Rei de Castela:
·         A D. Henrique foi lhe atribuído o condado de Portucalense e D. Teresa, filha ilegítima do Rei;
·         A D. Raimundo é lhe atribuído D. Urraca, filha legítima do Rei.
 
As fronteiras Portugueses foram assim definitivamente estabelecidas pelo Tratado de Alcanices, no ano de 1297, com o Rei D. Dinis.
Portugal surge no séc. XIII com as suas fronteiras já definidas sofrendo assim pequenas alterações, mas mantendo-as praticamente até aos dias de hoje. Podemos assim dizer que Portugal é o país com as fronteiras mais antigas.
publicado por silvinha310 às 21:23

link do post | comentar | favorito

Crise e Recessão do século XIV

No século XIV houve uma crise que veio destabilizar a população, as várias consequências causadas foram: toda a população passa fome; a taxa de mortalidade aumentou (devido à fome que a população passou); diminuição da mão-de-obra (devido ao aumento da taxa de mortalidade); aumento dos preços dos produtos e dos salários, o aumento dos preços dos produtos, deve-se à sua diminuição da produção; doenças/ epidemias/ pilhagens (assaltos) / Guerras, todo isto levou à Peste Negra.

publicado por silvinha310 às 21:19

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009

A Queda do Império Romano: O Fim do Mundo Antigo

 

O Fim do Mundo Antigo:
O fim do mundo antigo deve-se pelas invasões Bárbaras. Depois da queda de Roma, uma multiplicidade de novos reinos substitui a antiga unidade imperial. Os reinos apresentavam-se com fronteiras mal defininas, que a qualquer momento podiam ser atacados.
O poder dos lideres políticos era efémero.
A Europa viveu, pois, um longo tempo de instabilidade e violência. A crise do Império e as invasões bárbaras tiveram, sobre o Mundo Ocidental, efeitos devastadores. Perdeu-se a riqueza que a Europa tinha e esta deu lugar à fome, a doenças, ao frajilamento e à morte.
publicado por silvinha310 às 16:42

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

A Queda do Império Romano: Os Bárbaros no Império

 

Os Bárbaros no Império:
Os Bárbaros eram considerados como pessoas rudes, que não tinham nenhuma cultura, nem política própria.
A penetração dos bárbaros no Império, para uns foi de forma pacifica e para outros foi de forma violenta. Instalaram-se em pequenos grupos.
Os romanos serviram-se muito dos Bárbaros que se instalaram de forma pacífica, para as funções domésticas e em outras várias actividades, entre elas: económicas, funções perante o exército, que na qual deveriam ser feitas pelos Romanos. Uma vez que estes não as faziam quando o inimigo atacava eles simplesmente perdiam devido a não terem a devida preparação fisica que deviam ter.
publicado por silvinha310 às 15:34

link do post | comentar | favorito

A Queda do Império Romano: A Divisão definitiva do Império

 

 

A divisão definitiva do império:
O mundo romano gozou, ainda algumas décadas de relativa paz e prosperidade.
No fim do século IV, a ameaça bárbara levou a que o Imperador Teodósio a dividir o Império em:
      Império Romano do Ocidente/ Capital Roma;
      Império Romano do Oriente/ Capital em Constantinopla.
 
      Império Romano do Oriente:
 
·        O Império do Oriente dá continuidade ao Império Romano. Resistiu mais de 1000 anos, até 1453, no mesmo ano em que os Turcos donimaram o Império do Oriente.
 
     Império Romano do Ocidente:
·        Já o Império do Ocidente, não durou assim tanto tempo, pois 1 século depois deste se ter formado, dão-se as grandes invasões bárbaras.
publicado por silvinha310 às 15:26

link do post | comentar | favorito

A Queda do Império Romano: O Império em Crise

 

O Império em Crise:
 
O Império, no século III, “mergulhou” numa profunda crise político-militar.
Esta crise foi, uma crise interna.
 
Os imperadores sucessores ao trono vão sendo assassinados pelo próprio exército.
Os historiadores designam este período de grande agitação política como uma “anarquia militar”. O Império foi confrontado, pela primeira vez, com uma outro grave questão: o Perigo Bárbaro. A época da pax romana, instituída por Octávio, chegara ao fim. Pois o inimigo estara perto.
 
O Império no entanto conseguiu, sobreviver a esta época turbulenta. O Império entre os anos, 284-305, era governado pelo Imperador Diocleciano, que efectuou reformas profundas na administração e no exército.
 
Os quatro dirigentes dividiram entre si, o encargo da administração e defesa do Império. Fixaram residência em cidades próximas das fronteiras, para melhor cumprirem a sua missão.
 
Este sistema, ficou conhecido como Tetrarquia Império, não deu os resultados esperados, ou seja, não resolveu as dificuldades políticas do Império, mas reforçou a ideia de que o Mundo Romano era excessivamente grande para se manter unido.
Então decidiram dividir definitivamente o Império.
publicado por silvinha310 às 15:19

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. A fixação do território –...

. Crise e Recessão do sécul...

. A Queda do Império Romano...

. A Queda do Império Romano...

. A Queda do Império Romano...

. A Queda do Império Romano...

.arquivos

. Maio 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds